Avançar para o conteúdo principal

Projeto de restauro de chafariz de Viana do Castelo pronto dentro de dois meses


O presidente da Câmara de Viana do Castelo estimou hoje a conclusão do projeto de conservação e restauro do chafariz da Praça da República dentro de dois meses, e admitiu dificuldades em encontrar uma empresa especializada nesta área.
“Houve alguma dificuldade em encontrar empresas especializadas para concretizar esta tarefa. Neste momento encontrámos e o procedimento está a decorrer. Agora acredito que seja definitivo e que teremos condições para, nos próximos dois meses, dar os passos significativos formais. Há questões concursais que é preciso concretizar, no sentido de desenvolvermos o projeto e depois avançarmos para a execução requalificação do chafariz. É uma preocupação que nos acompanha já há algum tempo”, afirmou Luís Nobre.
Em declarações à agência Lusa, à margem da reunião camarária do executivo municipal, onde a vereadora da CDU, Cláudia Marinho, pediu um ponto de situação daquela intervenção, o autarca socialista explicou que se trata de “uma intervenção muito específica e não de uma operação de construção civil simples”.
“Estamos a falar de um bem patrimonial. De facto, as empresas especializadas nesta área são poucas. Houve todo um trabalho de avaliação inicial no sentido de se encontrar a melhor solução”, afirmou Luís Nobre, acrescentando que só com a conclusão do projeto vai ser possível determinar o valor da intervenção”.
Segundo informação que consta na página oficial da Câmara de Viana do Castelo na Internet, o monumento nacional, do século XVI, apresenta “patologias da pedra que afetam o chafariz”, sendo necessária a “substituição da tubagem interior e da consolidação da estrutura”.
“De acordo com especialistas na área, é necessário que o chafariz seja totalmente desmontado para ser tratado e voltar a ser colocado, o que obedece a um projeto técnico específico não só de consolidação da estrutura como de tratamento das patologias do granito”, com o acompanhamento da Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN).
Dada a classificação do monumento como Património Nacional, a obra também carece de validação da Direção Geral do Património Cultural.
O chafariz foi “construído, ou pelo menos concluído, em 1559, sendo obra do mestre canteiro João Lopes, o mesmo que alguns anos antes executara o chafariz de Caminha e, muito provavelmente, alguns semelhantes que se podem encontrar em cidades galegas, como Pontevedra”.
O restauro do chafariz foi anunciado em novembro de 2019, pelo ex-presidente da Câmara, José Maria Costa, num investimento estimado em 150 mil euros.
Hoje, à Lusa, Luís Nobre adiantou que só o projeto de execução irá determinar o valor da intervenção.
O chafariz foi, durante vários séculos, o ponto de abastecimento de água potável da população de Viana do Castelo.
O “chafariz corresponde a uma construção de arquitetura infraestrutural, maneirista”.
Representa “um chafariz central de tanque de planta circular, formado por lajes exteriormente decoradas com almofadas concavas e denticulado, colunas galbadas ornadas com motivos vegetalistas diferentes e duas taças, também circulares, com várias molduras e friso denticulado, rematado em coruchéu vegetalista, num claro esquema piramidal”.
“Juntamente com o chafariz do Porto (1544), de Pontevedra (1549) e de Caminha (1551), converteu-se no protótipo de fonte pública custeada pelo concelho durante os meados do século XVI”, lê-se na publicação do município.


Notícia da LUSA, 2022.09.06

Comentários

Mais visualizadas nos últimos 7 dias

Viana de Outros Tempos

Assim era a Praça da República nos anos 60 do século XX. Espólio de Severino Costa | Arquivo Municipal de Viana do Castelo

Seis pirogas encontradas no rio Lima em Viana do Castelo classificadas "tesouro nacional"

  O Governo aprovou hoje, em Conselho de Ministros, o decreto que classifica, como conjunto de interesse nacional diversos bens móveis arqueológicos náuticos e subaquáticos, sendo-lhes atribuída a designação de "tesouro nacional": as seis pirogas monóxilas provenientes de recolha arqueológica subaquática realizada no rio Lima, em Viana do Castelo; os três astrolábios provenientes de recolha arqueológica subaquática realizada em São Julião da Barra, e os dez canhões provenientes de recolha arqueológica subaquática, realizada na Ponta do Altar. As pirogas monóxilas são embarcações construídas a partir de um único tronco de árvore, neste caso de carvalho. Este conjunto apresenta um interesse arqueológico e patrimonial muito relevante enquanto testemunho notável da navegação em Portugal, e da travessia do Rio Lima em particular, desde a Idade do Ferro até à Baixa Idade Média. A dimensão do conjunto e de cada exemplar (uma delas com quase 7m de comprimento), o seu estado de conser

Bom dia, Viana do Castelo!

Começar bem a manhã, pela zona ribeirinha.

Projeto alemão de energia eólica offshore previsto para Viana “chumbado” pelo governo

A BayWa, gigante alemã das energias renováveis, tinha apresentado ao governo português um projeto de cerca de 2,5 mil milhões de euros de investimento, na instalação de um parque eólico flutuante com 30 turbinas, com uma capacidade instalada de até 600 megawatts (MW), ao largo de Viana do Castelo (na Zona Piloto onde já se encontram instaladas as três turbinas que constituem o parque eólico offshore WindFloat Atlantic). O Governo diz que o projeto só é viável noutra área marítima dedicada às renováveis, ainda por definir.

AP DONA ANINHAS: será assim o novo hotel de Viana do Castelo

Vai designar-se AP Dona Aninhas o hotel de quatro estrelas que está prestes a nascer no edifício do antigo hotel Viana Sol, no Largo Vasco da Gama, no centro histórico de Viana do Castelo. Com 64 quartos e suites, esta é a primeira unidade na região Norte de Portugal do grupo AP Hotels & Resorts, de António Parente, natural de Viana do Castelo. Fotos: retiradas do site https://donaaninhas.com