Avançar para o conteúdo principal

Requalificação da Escola Secundária de Santa Maria Maior

Estão ainda a decorrer as obras de requalificação da Escola Secundária de Santa Maria Maior, antigo Liceu de Viana do Castelo, que tiveram o seu início no passado mês de Outubro de 2010 e que se prevê tenham a duração de um ano e meio.
Num investimento a rondar os onze milhões de euros, está prevista a recuperação e modernização do interior e exterior da escola além da construção de 3 novos edifícios.
O edifício que está a ser requalificado foi inaugurado em 28 de Maio de 1946, tendo começado a funcionar a 16 de Outubro de 1946.

Escola Secundária Santa Maria Maior, Viana do Castelo

Escola Secundária Santa Maria Maior (maquete), Viana do Castelo

Entrada principal da Escola Secundária Santa Maria Maior antes das obras

Entrada principal da Escola Secundária Santa Maria Maior depois das obras

Entrada principal da Escola Secundária Santa Maria Maior depois das obras

Entrada principal da Escola Secundária Santa Maria Maior depois das obras
História deste estabelecimento de ensino
Decretos-lei de 1836 preconizam a obrigatoriedade da existência de liceus em todas as capitais de distrito. As medidas necessárias para a criação de um liceu em Viana do Castelo foram tomadas somente em 1853; neste mesmo ano (em data desconhecida) entram em funcionamento as aulas, numa única sala do extinto convento de S. Domingos, onde eram leccionadas as cadeiras de Gramática Portuguesa e Latina e Latinidade. Em 1854 já se ensinam as Línguas Francesa e Inglesa, mas leccionadas na casa dos respectivos professores.
Em 1855 é alugado parcialmente o palacete Sotto-Maior, situado na Rua da Bandeira. Este edifício apresentou desde o início graves problemas que levaram a que, em 1911, o liceu fosse transferido para a chamada Casa dos Quesados (antiga residência dos Jesuítas), situado na Rua da Bandeira.
Em 1918 por proposta do Secretário de Estado da Instrução Pública, o Liceu Nacional passa a denominar-se Liceu de Gonçalo Velho.

A significativa subida do número de alunos a partir de 1915/16 vem mostrar que o edifício do liceu não satisfaz as necessidades do ensino. Encarado sempre pelo poder central como um liceu de segunda classe, o liceu de Viana do Castelo, após diversas tentativas, sobe de categoria pelo Decreto nº 6022 de 12 de Agosto de 1919, passando a Liceu Central. Nesse mesmo ano iniciaram-se as providências necessárias para a construção de um edifício condigno, processo que só culminou 27 anos mais tarde. Durante este período, as instalações da Casa dos Quesados foram alvo de pequenas obras de manutenção. (Tinham já uma frequência de cerca de duas centenas de alunos).
Em 1928 passou o liceu à categoria de “Nacional” e a possuir apenas os dois primeiros ciclos. A inauguração do novo edifício data de 28 de Maio de 1946, projectado para nove turmas; a 16 de Outubro de 1946, começou a funcionar. Este novo edifício tinha dois pisos onde estavam colocadas as aulas gerais, os laboratórios, um anfiteatro, a biblioteca, o museu, a reitoria, os gabinetes e a secretaria. Tinha dois recreios cobertos, um para cada sexo. Na parte traseira, o edifício tinha a cantina, o refeitório, a aula de Canto Coral e uma sala de alunos. No final deste prolongamento, estava o ginásio, com as respectivas instalações e a sala da Associação Escolar. Lateralmente foram construídos vários campos de jogos.
Só em 1957 é que o liceu voltou a ter o terceiro ciclo. Viana do Castelo passa, então, a ser mais uma das capitais de distrito onde já era leccionado o curso completo dos liceus. Face a progressivos aumentos na frequência foram realizadas obras sucessivas de ampliação em 1959, 1971 e 1976.
O liceu de Viana do Castelo prolonga-se, hoje, através da Escola Secundária de Santa Maria Maior. Por ele passaram milhares de alunos, professores e funcionários. Foi através deles que esta escola se enraizou no quotidiano da cidade e foi devido ao que oferecia, o curso liceal, que atraiu os jovens do Alto Minho.

O texto sobre a história do estabelecimento, foi retirado do site da ESSMM

MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Mordoma do cartaz da Romaria d’Agonia 2024 escolhida por concurso

Pela primeira vez na história da Romaria d’Agonia a mordoma do cartaz que leva a maior festa popular portuguesa a todo o mundo será selecionada por um júri entre 20 finalistas, todas elas escolhidas entre as concorrentes, abrindo assim espaço para mulheres com idades entre os 18 e os 35 anos participarem. “Qualquer mulher que sinta a nossa Romaria pode concorrer e pode aspirar a ser a mordoma da festa. É uma inovação que introduzimos este ano, pensando em todas as jovens mulheres que alimentam este sonho”, explicou Manuel Vitorino, presidente da VianaFestas, a entidade organizadora das festas da cidade. O novo regulamento para escolha do cartaz da Romaria de Nossa Senhora d’Agonia vai ser implementado este ano e substitui o modelo anterior, de concurso promovido, que estava em vigor desde 2011, e que implicava escolher o conjunto do autor, do cartaz e da mordoma. No formato para a definição do cartaz da Romaria a estrear este ano, o mesmo passa a contemplar três fases, com qualquer mul

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Campo de girassóis chama a atenção em Carreço (Viana)

Um extenso campo de girassóis pinta de amarelo a paisagem na Veiga de Carreço (Viana do Castelo), junto à estrada Nacional 13. Para quem passa por ali é difícil ficar indiferente à imensidão de flores que encanta qualquer um. A beleza é tanta que não falta quem pare por alguns minutos para observar os girassóis e aproveite a paisagem como cenário para tirar algumas fotografias.

“Mercado dos Descobrimentos”, de 07 a 10 de junho

A cidade de Viana do Castelo vai entrar na época dos Descobrimentos e mostrar as riquezas que os portugueses trouxeram do continente americano. Desde o chocolate, ao café, passando pelo milho, pimentos e batatas, até aos perus, os novos produtos e especiarias do outro lado do mundo vieram revolucionar a cozinha portuguesa.   A segunda edição do “Mercado dos Descobrimentos”, de  0 7 a 10 de junho, vai fazer uma ponte histórica e cultural entre os dois lados do Atlântico, com diversos apontamentos musicais, teatrais e de animação, com destaque para o artesanato e a gastronomia.   O Castelo Santiago da Barra e a zona envolvente terão oito diferentes espaços, com um programa de animação itinerante durante mais de 20 horas e a participação de  150  mercadores, artífices, artesãos e regatões, característicos da época dos Descobrimentos ao longo dos quatro dias.    “Voltamos a aliar a história, a animação, a cultura e a gastronomia num único evento que contará com mais de 60 momentos ao longo

Monumento a Viana do Castelo…

A dar as boas vindas a quem chega a Viana do Castelo pelo mar.