Exposição mostra as “Memórias da Pesca Artesanal” da nossa Ribeira


Não deixe de visitar a exposição “Memórias da Pesca Artesanal” levada a efeito no largo de S. Domingos, em Viana do Castelo, pela Junta de Freguesia de Monserrate e Rede Social de Viana do Castelo. 
A exposição estará patente até 12 de Maio de 2012. 

"Falar da pesca artesanal da nossa Ribeira é regressar ao passado e recuar no tempo. O bairro mais típico de Viana do Castelo era o da nossa Ribeira, tinha um encanto pitoresco e castiço. O seu porto de mar era o impulsionador do progresso e das tradições marítimas da nossa terra. As necessidades e os costumes da gente do mar tinham um ritmo mais lento e menos caprichoso, mas era no pescador onde se encontravam os hábitos de outros tempos. O pescador era o principal ator, pois vivia a sua vida um tanto à margem dos outros habitantes. 
Eles, os pescadores, aguardavam a todo o momento de irem para o mar, podíamos encontra-los na taberna habitual, silenciosos, na frente de um copo de verdasco, ou era vê-los a olhar o mar ou o movimento da barra. Mas, se os chamássemos à conversa, a sua alma abria-se para contarem as suas peripécias ou as tormentas da vida do mar. 
Elas, as mulheres, são as intermediárias entre a gente do mar e a gente da cidade, participam na vida da casa quer à porta de suas casas, remendando as redes ou ainda a percorrerem as ruas da cidade a anunciar o peixe “fresquinho da nossa barra”, mulheres desenvoltas e ágeis na sua atividade. 
Foi em pequenos e frágeis barcos que gerações de homens da ribeira ganharam o pão de cada dia. Os pequenos barcos, movidos a remos e uma pequena vela saíam para a faina diária da pesca, era o único recurso de toda a família, as mulheres da Ribeira eram as grandes mártires de várias gerações que ficavam a rezar pelo seu homem. Quando na barra em dias de temporal, surgia o seu barco, eram as lágrimas de agradecimento à Senhora da Agonia. Quantos naufrágios os filhos e as mulheres dos pescadores viam esvaziar-se da presença do pai ou do marido. 
O porto de pesca é um lugar de trabalho, intenso, rápido e constante. A chegada dos barcos enchia de animação e alegria a nossa ribeira. O movimento de barcos, a sua chegada, azáfama da descarga do peixe que os pescadores vão lançando dos barcos e as mulheres carregam ou regateiam, a um ritmo, ora lento, ora agitado, das vozes, das canções e do bater das ondas. Este era um dos quadros mais belos que se podia contemplar em Viana do Castelo. 
Ficamos com as memórias, esta já não é a realidade. Nos últimos 20, 30 anos, voltamos as costas ao Mar e deixamos de ver nele uma vantagem. Abandonamos a pesca, os portos, os transportes marítimos e a pesca artesanal. O Mar foi o parente pobre do 25 de Abril. Mas, o Mar era o maior contributo e o mais valioso que se podia ter dado para o projeto europeu. A influência do Mar é decisivo para a História de Portugal, é determinante para o desenvolvimento do país. 
O sector da pesca artesanal quase que desapareceu, o número de pescadores reduziu substancialmente e esta é também a realidade da pesca artesanal da nossa Ribeira. 
Esta exposição é uma homenagem a todos os pescadores da nossa Ribeira." 

Texto retirado do Flyer da Exposição.

Comentários

  1. Texto retirado do "Flyer" da Exposição.
    Eu até gosto da palavra "Flyer". Dá a ideia de uma coisa leve que é para se dispersar, e até tem mais força que a palavra portuguesa "Panfleto".
    Mas estamos em Portugal a falar da nossa gente e para a nossa gente, pelo que "Flyers" soa um pouco a snobismo.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Reabilitação da Rua Nova de S. Bento

Floreiras dão novo colorido ao Largo João Tomás da Costa

Presidência Portuguesa do Conselho da UE vai passar por Viana do Castelo.