Avançar para o conteúdo principal

Exposição mostra as “Memórias da Pesca Artesanal” da nossa Ribeira


Não deixe de visitar a exposição “Memórias da Pesca Artesanal” levada a efeito no largo de S. Domingos, em Viana do Castelo, pela Junta de Freguesia de Monserrate e Rede Social de Viana do Castelo. 
A exposição estará patente até 12 de Maio de 2012. 

"Falar da pesca artesanal da nossa Ribeira é regressar ao passado e recuar no tempo. O bairro mais típico de Viana do Castelo era o da nossa Ribeira, tinha um encanto pitoresco e castiço. O seu porto de mar era o impulsionador do progresso e das tradições marítimas da nossa terra. As necessidades e os costumes da gente do mar tinham um ritmo mais lento e menos caprichoso, mas era no pescador onde se encontravam os hábitos de outros tempos. O pescador era o principal ator, pois vivia a sua vida um tanto à margem dos outros habitantes. 
Eles, os pescadores, aguardavam a todo o momento de irem para o mar, podíamos encontra-los na taberna habitual, silenciosos, na frente de um copo de verdasco, ou era vê-los a olhar o mar ou o movimento da barra. Mas, se os chamássemos à conversa, a sua alma abria-se para contarem as suas peripécias ou as tormentas da vida do mar. 
Elas, as mulheres, são as intermediárias entre a gente do mar e a gente da cidade, participam na vida da casa quer à porta de suas casas, remendando as redes ou ainda a percorrerem as ruas da cidade a anunciar o peixe “fresquinho da nossa barra”, mulheres desenvoltas e ágeis na sua atividade. 
Foi em pequenos e frágeis barcos que gerações de homens da ribeira ganharam o pão de cada dia. Os pequenos barcos, movidos a remos e uma pequena vela saíam para a faina diária da pesca, era o único recurso de toda a família, as mulheres da Ribeira eram as grandes mártires de várias gerações que ficavam a rezar pelo seu homem. Quando na barra em dias de temporal, surgia o seu barco, eram as lágrimas de agradecimento à Senhora da Agonia. Quantos naufrágios os filhos e as mulheres dos pescadores viam esvaziar-se da presença do pai ou do marido. 
O porto de pesca é um lugar de trabalho, intenso, rápido e constante. A chegada dos barcos enchia de animação e alegria a nossa ribeira. O movimento de barcos, a sua chegada, azáfama da descarga do peixe que os pescadores vão lançando dos barcos e as mulheres carregam ou regateiam, a um ritmo, ora lento, ora agitado, das vozes, das canções e do bater das ondas. Este era um dos quadros mais belos que se podia contemplar em Viana do Castelo. 
Ficamos com as memórias, esta já não é a realidade. Nos últimos 20, 30 anos, voltamos as costas ao Mar e deixamos de ver nele uma vantagem. Abandonamos a pesca, os portos, os transportes marítimos e a pesca artesanal. O Mar foi o parente pobre do 25 de Abril. Mas, o Mar era o maior contributo e o mais valioso que se podia ter dado para o projeto europeu. A influência do Mar é decisivo para a História de Portugal, é determinante para o desenvolvimento do país. 
O sector da pesca artesanal quase que desapareceu, o número de pescadores reduziu substancialmente e esta é também a realidade da pesca artesanal da nossa Ribeira. 
Esta exposição é uma homenagem a todos os pescadores da nossa Ribeira." 

Texto retirado do Flyer da Exposição.

MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

A pesca da lampreia no estuário do Lima

Pequenas embarcações, com uma tripulação que varia entre dois e três pescadores por barco, dão vida e movimento a este rio que desagua na cidade de Viana do Castelo. Este é um período muito esperado pelos pescadores locais, pois cada exemplar deste ciclóstomo tem elevado valor comercial. Por estes dias os preços têm estado muito altos, rondando os 100 euros por unidade. A pesca decorre até 10 de abril. Fotos: estuário do rio Lima, fevereiro de 2024.

A passear por Viana…

Pela zona ribeirinha da cidade. Fevereiro 2024

Enorme “Coração de Viana” de Joana Vasconcelos exposto em Serralves

Uma das obras mais conhecidas e emblemáticas da artista plástica portuguesa Joana Vasconcelos, o "Coração Independente Vermelho”, inspirado no coração de Viana, peça icónica da filigrana portuguesa, está entre as mais de trinta e cinco peças que integram a sua primeira exposição individual em Serralves. A exposição, intitulada “I’m Your Mirror” esteve anteriormente no Museu Guggenheim de Bilbau (Espanha), onde recebeu mais de 640 mil visitantes. Vai estar no Porto, em Serralves, até 24 de junho. A obra "Coração Independente Vermelho”, já esteve exposta no Centro Cultural de Viana do Castelo durante a Romaria d'Agonia de 2014. Joana Vasconcelos foi, nesse mesmo ano, presidente da Comissão de Honra das Festas, tendo participado no cortejo etnográfico e no desfile da Mordomia. Alguns dos trabalhos expostos no Museu e nos Jardins do Parque de Serralves: (Clique na imagem para ver em modo de ecrã inteiro) CORAÇÃO INDEPENDENTE VERMELHO, 2005 | Apresenta-se sob a forma

Um complexo em ruínas chamado Luziamar

Recentemente foi colocada ao redor do que resta deste emblemático empreendimento, uma nova vedação e uma placa com o nome da empresa atual proprietária do espaço. Será que está para breve alguma intervenção no sentido de se recuperar este importante espaço degradado da cidade de Viana do Castelo? O complexo turístico do Luziamar abriu portas em 1974 e fechou em meados da década de 90 do século passado. Durante grande parte do tempo em que se manteve em atividade, foi umas das principais referências na noite da região Norte de Portugal e da Galiza, sobretudo devido à sua discoteca, marcando uma geração que ainda hoje o recorda com saudade. Nos últimos anos, a empresa proprietária do Luziamar já teve diferentes projetos no sentido de recuperar aquele espaço mas, até ao momento, ainda nenhum se concretizou. Em 2015, numa reunião da Câmara Municipal de Viana do Castelo, foi revelado que era vontade do atual proprietário: ..."recuperar a atual envolvência do Luziamar", acresce