Avançar para o conteúdo principal

Auditório por concluir há 25 anos demolido para dar lugar a um novo por 2,5 ME


Um auditório no centro de Viana do Castelo, por concluir há mais de 25 anos, vai ser demolido para dar lugar a outro, a construir de raiz, por 2,5 milhões de euros. 
A informação foi avançada pelo presidente da câmara, numa altura em que o projeto de execução, em preparação pelo município, acaba de ser reformulado, reduzindo para quase metade o investimento idealizado em 2009, de 4,5 milhões de euros. 
"Estamos a concluir a reformulação do projeto para, mal abram as candidaturas a fundos comunitários, de apoio a escolas profissionais, podermos avançar", explicou José Maria Costa. 
A obra prevê a demolição da atual estrutura, construída para ser um auditório em meados da década de oitenta, mas que nunca chegou a ser concluído por questões políticas e financeiras. 
"Tínhamos definido uma intervenção que agora reduzimos, para um projeto de 2,5 milhões de euros, privilegiando o que serão as áreas funcionais mais necessárias e atendendo às necessidades de própria escola, que ocupa o restante edifício, e da conjuntura económica", acrescentou o autarca. 
Em causa está um projeto que começou a ser desenhado em 1979, para um local onde então existia um edifício do século XVIII, antigo orfanato, que foi demolido para dar lugar a um museu. A obra acabou por não avançar nos moldes previstos, face às críticas do Instituto Português do Património Arquitectónico à volumetria do edifício.
Em 1984 foi aprovado pelo município um novo projeto para o que já estava construído, que passaria a ser Centro de Arte e Cultura de Viana do Castelo. Contudo, e já com mais obra feita, também esta solução seria abandonada pela autarquia em 1990, que optou, antes, pela sua utilização como biblioteca. 
Três anos mais tarde e ainda com todo o edifício em tosco, também esta opção foi descartada, optando a Câmara por ceder o espaço à Escola Profissional de Música de Viana do Castelo e Fundação Átrio da Música, que só o concluíram, com exceção do auditório, em 2008. 
Esta última intervenção prevê o reclamado auditório, já que as duas instituições não têm qualquer espaço para ensaios de orquestra, audições ou pequenos concertos. 
"É uma necessidade vital para o nosso funcionamento porque os alunos têm que se deslocar constantemente para outros espaços. É necessário para o funcionamento das disciplinas, já que os alunos têm que se apresentar ao público", explicou Carla Barbosa, diretora da instituição. 
Entre a escola profissional e a academia, o auditório será utilizado por cerca de 500 estudantes, atualmente limitados a um espaço de ensaio próprio com capacidade para 70 pessoas. 
"Passaremos a poder ter mais de 100 alunos, uma orquestra, em palco, para uma capacidade de 300 pessoas no público. Penso que é a dimensão certa", acrescentou a responsável. 
Estas duas entidades, a par da autarquia, deverão assegurar a componente nacional do projeto a candidatar a fundos comunitários. 
A demolição da estrutura do auditório, apenas em betão, tijolo e com um fosso, é justificada pelas limitações que apresenta perante a legislação atual, nomeadamente ao nível da acessibilidade e pela "grande dimensão" do espaço, "sem que correspondesse às necessidades atuais da escola". 
Além do auditório, a conclusão da construção envolverá ainda uma área para novas salas de aula.
Entretanto, a câmara também acordou com equipa projetista da obra uma redução em 75 mil euros no valor do projeto, que custará agora mais de 274 mil euros, face à redução da área a intervir em comparação com a base inicial, de 2009.

Fonte: Lusa (11.06.2012)

MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Mordoma do cartaz da Romaria d’Agonia 2024 escolhida por concurso

Pela primeira vez na história da Romaria d’Agonia a mordoma do cartaz que leva a maior festa popular portuguesa a todo o mundo será selecionada por um júri entre 20 finalistas, todas elas escolhidas entre as concorrentes, abrindo assim espaço para mulheres com idades entre os 18 e os 35 anos participarem. “Qualquer mulher que sinta a nossa Romaria pode concorrer e pode aspirar a ser a mordoma da festa. É uma inovação que introduzimos este ano, pensando em todas as jovens mulheres que alimentam este sonho”, explicou Manuel Vitorino, presidente da VianaFestas, a entidade organizadora das festas da cidade. O novo regulamento para escolha do cartaz da Romaria de Nossa Senhora d’Agonia vai ser implementado este ano e substitui o modelo anterior, de concurso promovido, que estava em vigor desde 2011, e que implicava escolher o conjunto do autor, do cartaz e da mordoma. No formato para a definição do cartaz da Romaria a estrear este ano, o mesmo passa a contemplar três fases, com qualquer mul

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

Campo de girassóis chama a atenção em Carreço (Viana)

Um extenso campo de girassóis pinta de amarelo a paisagem na Veiga de Carreço (Viana do Castelo), junto à estrada Nacional 13. Para quem passa por ali é difícil ficar indiferente à imensidão de flores que encanta qualquer um. A beleza é tanta que não falta quem pare por alguns minutos para observar os girassóis e aproveite a paisagem como cenário para tirar algumas fotografias.

“Mercado dos Descobrimentos”, de 07 a 10 de junho

A cidade de Viana do Castelo vai entrar na época dos Descobrimentos e mostrar as riquezas que os portugueses trouxeram do continente americano. Desde o chocolate, ao café, passando pelo milho, pimentos e batatas, até aos perus, os novos produtos e especiarias do outro lado do mundo vieram revolucionar a cozinha portuguesa.   A segunda edição do “Mercado dos Descobrimentos”, de  0 7 a 10 de junho, vai fazer uma ponte histórica e cultural entre os dois lados do Atlântico, com diversos apontamentos musicais, teatrais e de animação, com destaque para o artesanato e a gastronomia.   O Castelo Santiago da Barra e a zona envolvente terão oito diferentes espaços, com um programa de animação itinerante durante mais de 20 horas e a participação de  150  mercadores, artífices, artesãos e regatões, característicos da época dos Descobrimentos ao longo dos quatro dias.    “Voltamos a aliar a história, a animação, a cultura e a gastronomia num único evento que contará com mais de 60 momentos ao longo

Monumento a Viana do Castelo…

A dar as boas vindas a quem chega a Viana do Castelo pelo mar.