Avançar para o conteúdo principal

Administração formaliza proposta para ceder ''Atlântida'' aos Açores em nome do ''interesse público''


A administração dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) já formalizou, junto da Atlânticoline, a proposta para cedência temporária do ferryboat "Atlântida" aos Açores por valores inferiores ao concurso internacional para o fretamento de dois navios entretanto aberto. Através de uma carta assinada pela administração dos ENVC, esta proposta é apresentada pelo construtor naval, público, como "uma possibilidade concreta de negócio". 
"No interesse das nossas empresas e, talvez até, no interesse público nacional", lê-se no documento, com data de 21 de agosto e ao qual a agência Lusa teve hoje acesso.
A 06 de agosto, a Atlânticoline - empresa pública dos Açores responsável pelas ligações marítimas inter-ilhas - lançou um concurso público internacional, de novo para o fretamento de dois navios para transporte de passageiros e viaturas, para as próximas operações, 2013 e 2014, com opção de prorrogação para 2015, por 16,4 milhões de euros. 
A construção do ferryboat "Atlântida" nos ENVC, por 50 milhões de euros, foi concluída em 2009 e apesar da rescisão do contrato, por decisão do Governo Regional dos Açores, a Empordef, holding pública que tutela as indústrias de Defesa, sempre admitiu que o destino do navio deveria ser aquele arquipélago. 
Na proposta enviada esta semana ao presidente do conselho de administração da Atlânticoline, Carlos Reis, os ENVC justificam esta possibilidade de cedência com "as excelentes características" do ferry para aquele serviço, até "porque para ele foi construído". 
"Como por exemplo a sua agilidade de acostagem nos diferentes tipos de cais existentes nas ilhas, com significativos economias de tempo e combustível nas travessias", acrescenta o documento, propondo uma "negociação em novos termos" e "a bem da economia nacional, por um preço global certamente inferior ao do afretamento" do concurso internacional aberto. 
Diz ainda a carta que o navio "está financiado por uma instituição financeira" pelo que, a concretizar-se este negócio, seria necessário "avaliar conjuntamente as modalidades que poderiam revestir esta transação", nomeadamente com uma proposta de "conversão da referida dívida numa nova modalidade de uso e afetação". 
Recorde-se que após rescindir o contrato com os ENVC, alegando a diferença de um nó na velocidade máxima do ferryboat, a Atlânticoline gastou 21 milhões de euros no fretamento de dois navios ao armador grego Hellenic Seaways para as ligações sazonais inter-ilhas, entre 2010 e 2012. 
Há um ano atracado na Base Naval do Alfeite, aquele ferry tem capacidade para 750 passageiros e 140 viaturas e uma velocidade máxima de 16 nós. 
Já o concurso agora aberto determina que um dos navios deve ter uma velocidade mínima de 28 nós, enquanto a do outro navio deve ser de 19 nós. A lotação mínima exigida é de 600 passageiros e 120 viaturas. 
O presidente da Empordef, Vicente Ferreira, já admitiu que os dois navios encomendados e rejeitados pelos Açores - além do "Atlântida, o "Anticiclone" não passou do início de construção - estão avaliados no total em 71 milhões de euros e que a não concretização deste negócio é grandemente responsável pela "ruína" dos ENVC e eventualmente, a prazo, da própria "holding" de indústrias de defesa do Estado.

Texto: Lusa (22.08.2012)

MAIS VISUALIZADAS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

A pesca da lampreia no estuário do Lima

Pequenas embarcações, com uma tripulação que varia entre dois e três pescadores por barco, dão vida e movimento a este rio que desagua na cidade de Viana do Castelo. Este é um período muito esperado pelos pescadores locais, pois cada exemplar deste ciclóstomo tem elevado valor comercial. Por estes dias os preços têm estado muito altos, rondando os 100 euros por unidade. A pesca decorre até 10 de abril. Fotos: estuário do rio Lima, fevereiro de 2024.

A passear por Viana…

Pela zona ribeirinha da cidade. Fevereiro 2024

Um complexo em ruínas chamado Luziamar

Recentemente foi colocada ao redor do que resta deste emblemático empreendimento, uma nova vedação e uma placa com o nome da empresa atual proprietária do espaço. Será que está para breve alguma intervenção no sentido de se recuperar este importante espaço degradado da cidade de Viana do Castelo? O complexo turístico do Luziamar abriu portas em 1974 e fechou em meados da década de 90 do século passado. Durante grande parte do tempo em que se manteve em atividade, foi umas das principais referências na noite da região Norte de Portugal e da Galiza, sobretudo devido à sua discoteca, marcando uma geração que ainda hoje o recorda com saudade. Nos últimos anos, a empresa proprietária do Luziamar já teve diferentes projetos no sentido de recuperar aquele espaço mas, até ao momento, ainda nenhum se concretizou. Em 2015, numa reunião da Câmara Municipal de Viana do Castelo, foi revelado que era vontade do atual proprietário: ..."recuperar a atual envolvência do Luziamar", acresce

Enorme “Coração de Viana” de Joana Vasconcelos exposto em Serralves

Uma das obras mais conhecidas e emblemáticas da artista plástica portuguesa Joana Vasconcelos, o "Coração Independente Vermelho”, inspirado no coração de Viana, peça icónica da filigrana portuguesa, está entre as mais de trinta e cinco peças que integram a sua primeira exposição individual em Serralves. A exposição, intitulada “I’m Your Mirror” esteve anteriormente no Museu Guggenheim de Bilbau (Espanha), onde recebeu mais de 640 mil visitantes. Vai estar no Porto, em Serralves, até 24 de junho. A obra "Coração Independente Vermelho”, já esteve exposta no Centro Cultural de Viana do Castelo durante a Romaria d'Agonia de 2014. Joana Vasconcelos foi, nesse mesmo ano, presidente da Comissão de Honra das Festas, tendo participado no cortejo etnográfico e no desfile da Mordomia. Alguns dos trabalhos expostos no Museu e nos Jardins do Parque de Serralves: (Clique na imagem para ver em modo de ecrã inteiro) CORAÇÃO INDEPENDENTE VERMELHO, 2005 | Apresenta-se sob a forma