Governo prorroga Polis de Viana até dezembro 2014


A atividade da sociedade VianaPolis acaba de ser prorrogada por mais um ano, até 31 de dezembro de 2014, segundo um despacho do Governo ao qual a agência Lusa teve hoje acesso. 
O despacho foi assinado conjuntamente pelo ministro do Ambiente, Ordenamento do Território e Energia, Jorge Moreira da Silva, e pela secretária de Estado do Tesouro, Isabel Castelo Branco, enquanto representantes de 60% da estrutura acionista da sociedade responsável pela implementação do programa Polis de Viana do Castelo. 
A prorrogação era defendida pela Câmara de Viana do Castelo (PS), detentora dos restantes 40% da sociedade, sendo agora consubstanciada neste despacho, que aprova uma Deliberação Social Unânime para alterar os estatutos da VianaPolis, cuja atividade terminaria hoje. 
"A duração da sociedade fica condicionada à realização completa do seu objeto contratual, não podendo prolongar-se para além de 31 de dezembro de 2014", lê-se no despacho. Com esta declaração, a VianaPolis fica impedida de contrair "encargos adicionais para o acionista Estado".
Além disso, é "recomendado" ao conselho de administração que "diligencie no sentido de alienar, com a maior celeridade e segurança jurídica, o património da sociedade, como forma de amortizar o financiamento concedido pela Direção Geral do Tesouro e Finanças". 
A VianaPolis mantém-se ativa com o propósito, ainda, de demolir o Edifício Jardim, mais conhecido por "prédio Coutinho", que já chegou a ser habitado por 300 pessoas, restando hoje menos de 40. 
A atividade desta sociedade, lançada em 2000, tem sido consecutivamente prolongada devido à suspensão, pelos tribunais, do processo de expropriação daquele edifício, de 13 andares. Essa decisão resulta dos processos movidos pelos moradores, que contestam a demolição, mas segundo os últimos números oficiais, a VianaPolis é já detentora de 63% das 105 frações do edifício, face a acordos amigáveis com os proprietários. 
Aquela sociedade tem ainda de gerir uma carteira de ativos que ultrapassa os 12 milhões de euros, nomeadamente cinco milhões de euros em apartamentos e garagens construídos na cidade nos últimos anos e que ainda estão por vender. 
O maior ativo da sociedade são os terrenos do Parque da Cidade, infraestruturados pelo Polis e que se encontram por vender desde 2006, após quatro hastas públicas falhadas. 
A última, que tinha como preço base 7,5 milhões de euros, terminou este mês, novamente sem propostas, mantendo-se a hasta pública em aberto, aguardando por investidores interessados. 
Além de habitação, estes terrenos, junto ao rio Lima, preveem a instalação de um hotel e de um equipamento social.

Texto: Agência LUSA (31.12.2013)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Enorme máquina giratória vai “triturar” mais de 15 mil toneladas de materiais dos 13 andares do prédio Coutinho

Queixa contra desconstrução do prédio Coutinho arquivada pelo MP

Morreu a ''PALMIRINHA''

Laboratório do mar com minissubmarino e aquário abriu em Viana do Castelo