Avançar para o conteúdo principal

Retomada tradição da Páscoa de visita a 16 igrejas e capelas de Viana do Castelo

 

Dezasseis igrejas e capelas de Viana do Castelo voltam a abrir este ano, na noite de Quinta-Feira Santa, à oração e à visita presencial dos fiéis, numa das principais tradições da Páscoa no concelho, foi hoje divulgado.

Contactada pela agência Lusa, fonte da diocese de Viana do Castelo adiantou que as 16 igrejas integram as celebrações da Semana Santa, sendo que o número de templos de portas abertas poderá ser superior se também participarem as igrejas e capelas privadas ou do domínio municipal.

É o caso das capelas do Museu de Artes Decorativas, das Malheiras (Séc. XVIII) e do Navio-Hospital Gil Eannes.

A fonte da diocese de Viana do Castelo explicou que as igrejas do Santuário de Santa Luzia, no monte com o mesmo nome, das Almas e São Bento, nas proximidades do prédio Coutinho, atualmente em fase de desconstrução, a igreja de São Francisco, da Ordem Terceira, e Igreja da Caridade não vão abrir portas.

Segundo aquela fonte, a igreja da Caridade invocou razões de segurança devido à pandemia de covid-19, por só circularem no interior do templo os utentes do lar de idosos da instituição.

Já as igrejas de São Francisco, junto ao cemitério de Santo António, e a de São Bento não abrem portas por necessitarem de obras de recuperação.

Após dois anos de interrupção devido à pandemia de covid-19, o roteiro integra um total de 16 templos, entre os quais a Sé Catedral e a Capela das Almas, que foi a primeira Matriz de Viana do Castelo.

Abrem ainda as igrejas do Santuário de Nossa Senhora d’Agonia, de Nossa Senhora de Monserrate, em São Domingos, da Misericórdia, do Carmo, de Nossa Senhora de Fátima e da Sagrada Família.

Os fiéis podem ainda visitar as capelas de Nossa Senhora do Resgate, na Rua da Bandeira, da Casa da Carreira, no edifício da Câmara Municipal, de Santa Rita, na Rua de Santiago, do Carmelo de Santa Teresinha, do seminário de Viana do Castelo, a de Nossa Senhora das Candeias, a de Santa Catarina, a de Nossa Senhora da Conceição, a do hospital de Santa Luzia e a capela de São Roque.

A fonte da diocese de Viana do Castelo alertou ser “obrigatório o uso de máscara em todas as celebrações pascais, e sublinhou que na Paixão de Cristo não vai ser permitido beijar a imagem, bem como nas visitas pascais às casas dos fiéis apenas entrará um grupo reduzido de representante da igreja, não sendo também permitido beijar a Cruz”.

As visitas começam a partir das 20:00, após a missa da Ceia do Senhor, e terminam às 24:00.

Manda a tradição que a visita, que antes da pandemia de covid-19 mobilizava milhares de pessoas, seja em número ímpar de templos, todos engalanados de flores, uma vez que os principais quadros religiosos alusivos à Páscoa também são compostos por números ímpares, como as três quedas de Cristo a caminho do Calvário e as cinco chagas.

Para Sexta-feira Santa, está marcada a celebração da Paixão do Senhor e a Via-Sacra na cidade, com início no santuário de Nossa Senhora d'Agonia, passando pela Praça General Barbosa, Largo de S. Domingos, Rua de Altamira, Largo Vasco da Gama, Rua Alves Cerqueira, Avenida dos Combatentes da Grande Guerra, Avenida Conde da Carreira, Passeio das Mordomas da Romaria, Praça da República e terminando na Sé Catedral.

No sábado decorre uma vigília pascal, estando marcada para domingo a tradicional visita pascal, cujo compasso irá ao Salão Nobre da Câmara Municipal.

Em 2021, a Câmara de Viana do Castelo, através das redes sociais, promoveu um roteiro virtual de apresentação de sete igrejas e capelas da cidade, para assinalar a Quinta-feira Santa.


24 mar 2022 (Lusa) 

Comentários

Mais visualizadas nos últimos 7 dias

Bom Dia Viana do Castelo

Iates na antiga doca comercial onde, presentemente, se encontra ancorado o navio museu Gil Eannes.  A reconversão desta antiga doca comercial numa marina atlântica está prevista há vários anos, mas tarda em concretizar-se. Com cerca de 477 metros de comprimento e 100 de largura, com a reabilitação prevista, a referida doca (futura Marina Atlântica) passará a ter capacidade para receber embarcações de recreio de maior dimensão.

Trajes tradicionais do concelho de Viana

O Traje de Lavradeira, o Traje de Mordoma, o Traje de Noiva, o Traje de Meia Senhora, Traje de Dó, Traje de Domingar, Traje de Feirar, Traje de Trabalho… são principalmente usados nas diversas festas e romarias que se realizam ao longo do ano, por todo o concelho. É o momento escolhido para se trazer o passado ao presente, vestindo um destes trajes tradicionais.  É durante a realização da Romaria da Senhora d’Agonia que se concentra um maior número de trajes, nomeadamente no Desfile da Mordomia, Cortejo Etnográfico e na Festa do Traje, ocasião para se admirar a beleza e riqueza de todos os detalhes dos tradicionais e coloridos trajes das diferentes freguesias do concelho de Viana do Castelo.  Estes são alguns dos trajes que tive oportunidade de contemplar, durante o Cortejo Histórico-Etnográfico e Desfile de Mordomia das Festas de Viana do Castelo deste ano.

PRAÇA DE TOUROS | Anteprojeto de reconversão

A construção de uma pista de atletismo a dez metros de altura, com 200 metros de extensão e vista panorâmica é uma das valências do 'campus' desportivo que vai nascer na antiga praça de touros de Viana do Castelo.  Em declarações hoje à agência Lusa, a propósito da conclusão do anteprojeto de reconversão da antiga praça de touros em 'campus' desportivo, o presidente da Câmara revelou que a infraestrutura, a criar no exterior e abrangendo todo o perímetro do edifício, poderá ser utilizada por atletas e pela população para "jogging, atletismo, caminhadas entre outras atividades de manutenção física".  A pista "será coberta", permitindo a sua utilização "mesmo em condições climatéricas adversas" e está integrada no projeto para reconversão da antiga praça de touros, um investimento de 2,5 milhões de euros que vai a concurso em abril de 2017 e que prevê a transformação da antiga arena, desativada há cerca de sete anos desde que cidade se d

Escadório de Santa Luzia

A Basílica de Santa Luzia, situada no alto do monte com o mesmo nome, é o monumento mais conhecido e visitado da cidade de Viana do Castelo. Para lá chegar tem três opções: a estrada, o funicular ou o escadório. Quem optar pelo funicular, fará um percurso de 650 metros, vencendo um desnível de 160 metros, numa viagem com duração de aproximadamente 7 minutos. Quem se sentir atraído a ir a pé pelo escadório, terá que subir 659 degraus. Subir esta escadaria não é assim tão difícil, basta ir com calma, parando quando o cansaço aparecer. Veja algumas fotografias do escadório de Santa Luzia.

Casa Brasileira a mais antiga confeitaria de Viana do Castelo

A fachada sóbria da “Casa Brasileira”, a mais antiga confeitaria da cidade de Viana do Castelo, “guarda” no seu interior verdadeiras delícias da doçaria tradicional. Fundada por emigrantes no Brasil, que a abriram precisamente no dia 22 de Março de 1902, no edifício onde ainda existe hoje, em pleno centro histórico da cidade, este estabelecimento citadino foi durante muitos anos um ícone dos doces típicos de Viana do Castelo. Mas, como em tudo na vida, esta confeitaria também teve os seus pontos altos e baixos. Os actuais proprietários, Sr. Norberto Martins e D. Maria Graça Ferreira, ex-emigrantes em França, quando em 2004 assumiram a direcção do estabelecimento, encontraram-no com uma deterioração que fazia esquecer os tempos dourados. Aos poucos, foram renovando o espaço e introduzindo nova doçaria de inspiração francesa que, juntamente com a confecção tradicional fez com que o espaço voltasse a ter a fama e a clientela que entretanto tinha perdido. Entre as especialidades serv